7.08.2010

Ah! Eh! Uh!

Ah! Botas. Esqueçam o salto alto. As feministas dos anos 60 deveriam ter se livrado do salto alto, não do amigável sutiã - que afinal as mulheres não deixaram de por, e os homens adoram o momento de tirar. Livrem-se do sapatinho de salto alto, mesmo que digam que é elegante. Algo que complica os movimentos e torna o passo mais contido é de uma época em que os homens não queriam que as mulheres fossem muito longe. Hoje elas não precisam andar como quem pisa em ovos. Ou a ideia é justamente que seja nos ovos deles, demarcando o fetiche? Prefiro as botas, que podem ser femininas mas mostrar personalidade, mostrar disposição para passadas mais largas. Desde coturnos pesados a aconchegantes calçados de inverno, com o cano alto torneando as pernas e um pouco de metal na fivela. Então, sim, para quem fizer questão, a bota pode terminar dando um salto, mas com a firmeza assegurada.

Eh! Unhas compridas. Toda mulher deveria deixar as unhas compridas e resistentes. Mais que isso: saber usá-las nas costas de seu amante, não tão forte a ponto de sangrar, mas com pressão o bastante para causar arrepios. Nada como a sinestesia de dez pequenos pontos patinando na pele, lascivos e destemidos. Uma mulher que domine esta técnica não precisa sentir a tal da inveja do pênis. Ela possui tanto quanto é possuída.

Uh! A mulher pode, ou melhor, deve, ser tão participativa quanto o homem no jogo da sedução. O cu doce não vale nada, no século XXI deverá ser abolido. Vou contar para quem ainda não reconheceu a vanguarda. Quando a mulher se faz de difícil, ela pode estar pensando: "Gostei dele, mas vou fazê-lo trabalhar mais até me merecer." O erro é dele se avançou antes de aquecer, mas é erro dela - e sim, elas erram - se não trabalhar o aquecimento, só o balde de água fria. Um balde atrás do outro, o que pensa o homem comum? "O 'não' é igual a 'sim', assim são as mulheres até a gente calar a boca delas". Se a temperatura está em ascensão, mas ainda não ferveu, não diga 'não'. Protele um pouco, se quiser, mas não proteste. Homem pode ser mesmo direto demais, e a mulher mais curvilínea, mas não é jogando na defensiva que se faz ouvir. O homem retrógrado - que sobrevive apenas porque elas incentivam - quer um 'não' atrás do outro, pra no fim deixar claro que é ele quem afirma. O homem de vanguarda dispensa esse teatro, prefere que a mulher seja mais imaginativa. A sedução é uma arte poética escrita a dois, mas esse 'não' que significa 'sim' é literatura de décima quinta categoria.

No comments: