6.27.2007

SERÁ - nesta quinta-feira


Momento decisivo na vida desse que vos escreve: o lançamento do primeiro romance, "Será". É um livro bem ousado, inspirado em Nietzsche, Kafka, com um pouco de Rubem Fonseca e até mesmo Clarice. Tudo isso em um futuro inóspito, século XXIII.
Esse livro abre a Coleção Ragnarok, um selo independente que criei com Nelson de Oliveira, voltado para ficção científica e fantasia. Daqui a alguns meses sai o livro do Nelson "Babel Hotel", e na sequência abriremos para outros autores.
Um trecho de "Será" para despertar o apetite:

Uma quinta-feira amanhece na longitude 170 leste, recebe a noite na longitude 40 oeste. Ovos de pássaros, de peixes e de répteis se rompem, maçãs caem das árvores, correm os rios, o mar em ondas visita as rochas. Magma quente percorre galerias subterrâneas, o vento agita as folhas, arrepia os bichos, transporta nuvens. No céu os gaviões atacam codornas, na mata leões devoram antílopes, no mar golfinhos amamentam seus filhotes. Sinais eletrônicos transcorrem o planeta, cai a chuva e estala o deserto sob o sol. Pensamentos e sensações se cruzam à deriva em trajeto pelo ar e milhões de mamíferos copulam no mesmo instante. Rebentam-se bolsas d’água, placas tectônicas rangem suavemente sob o solo, sementes germinam. Amanhece e anoitece no planeta que faz do calor e da luz fontes essenciais para a vida.

6.21.2007

FLAP - Contaminações

Não sei quanto a você, eu tô ficando ansioso pela semana que já vem. Ainda nem vi meu livro impresso, mas tá mais do que confirmado: quinta-feira, dia 28, lanço o Será na Livraria da Vila (Fradique Coutinho 915).
Na sequência tem a FLAP, festival alternativo à FLIP de Parati, durante todo o fim de semana. A programação é de alto nível, como você pode confirir aqui: http://flap2007.zip.net/
Eu estarei lá, sábado e domingo na Praça Roosevelt, com uma bancadinha de camelô vendendo Será aos desavisados.
Se algum acidente muito grave - um meteorito no telhado, sequestro relâmpago ou tsunami, menos que isso não é desculpa - te impedir de ir na quinta-feira, ao menos fica aqui a dica da FLAP.

6.12.2007

Divagações sobre arte e vida a partir da ocupação da USP

Transferido para Diagnósticos diferenciais para uma arte em crise

Se é exatamente na fronteira do não-eu que se percebe o eu, por que não seria na fronteira da não-vida a descoberta da vida?