3.02.2009

Caderno de bobagens - 1

Um dos maiores perigos de todo intelectual "sério" é cair no politicamente correto. Como antídoto, decidi resgatar um caderno de juventude, em que eu anotava as piadas infames que eu e meus amigos inventávamos. Até que rendeu um caderno grosso, que gostei tanto de reler que, de tempos em tempos, vou reproduzir aqui. Vou começar com uma "música de abertura", que eu cantava sempre que estava bêbado e feliz, cambaleando com os amigos pelas ruas:

Quanta besteira
Aí, quanta besteira
Quanto besteira
Aí, planto bananeira

Yo soy un hombre sin cerebro
No sé bater palma
Yo soy un hombre sin cerebro
No sé bater palma
Y antes de morir yo quiero
Encuentrar una alma

Quanta besteira
Aí, planto bananeira

(Experimente cantar no ritmo de Guantanamera)

4 comments:

Susana said...

= )
Vai seguir carreira no humor, que nem tua prima?

Ivan Hegenberg said...

Até que eu não ia achar ruim ganhar bolsa de dia pra filosofar e de noite fazer os outros rirem, que nem a Carol... Mas minha prima tem uma presença de palco que eu nunca vou ter. Tento me virar com os textos, e olhe lá.

Ivan Hegenberg said...

Até que eu não ia achar ruim ganhar bolsa de dia pra filosofar e de noite fazer os outros rirem, que nem a Carol... Mas minha prima tem uma presença de palco que eu nunca vou ter. Tento me virar com os textos, e olhe lá.

Anonymous said...

Obrigado por intiresnuyu iformatsiyu